Informações para tradutores iniciantes

Informações para tradutores iniciantes:

O que é uma "lauda"?
Na verdade, a lauda nasceu no jornal: uma lauda corresponde exatamente a uma coluna impressa no jornal. Era utilíssima quando o linotipista compunha as pranchas para imprimir o jornal. [ Para saber o que é "linotipo", leia abaixo ou consulte o site http://www.diariopopular.com.br/25_01_05/tc240102.html ]
Mais tarde, as editoras de livros começaram a utilizar a "lauda" na redação e composição de textos porque a lauda equivalia exatamente a uma página de texto impresso nos livros.
Com o fim do linotipista e o advento do computador, muitos dos termos utilizados ficaram obsoletos.
Enfim, a lauda de jornal e editora (papel "tamanho ofício") tem tradicionalmente, de 30 a 32 linhas com até 72 caracteres (um "caractere" - termo usado em computação e legendagem de filmes, além das áreas de que estamos tratando - é qualquer letra, símbolo ou espaço digitado).

[ Topo ]


Como calcular uma lauda?
TERMOS:
Toque - Um toque é cada vez que o dedo do datilógrafo e/ou digitador encosta no teclado, inclusive para dar espaços.

"Caractere" - Neste contexto, o termo um "caractere" tem o mesmo significado, embora seja mais usado em informática.
Assim sendo, cada letra, símbolo ou espaço digitados ou datilografados em um texto constituem um "toque" ou um "caractere".

Lauda - A lauda é a folha de papel digitada ou datilografada pelo tradutor, pelo repórter, jornalista ou autor.

Tamanho da lauda - Para se saber o tamanho da lauda é preciso saber quantos toques ou caracteres tem cada linha e multiplicar este número pelo número de linhas que vai se usar na página.
Nos dias de hoje, utiliza-se, profissionalmente, para traduções e outras finalidades, o papel "tamanho A4". Usando-se o "espaço duplo" para digitar/datilografar, cabem mais ou menos 25 linhas de texto nesta folha de papel. O número de caracteres ou toques vai variar, dependendo do tamanho da letra (ou "fonte").

[ Topo ]


Tipos de lauda

Tradução literária: 30 linhas com até 70 toques (ou caracteres)
30 linhas x 70 toques (ou caracteres) = 2.100 toques (ou caracteres)

Tradução juramentada: lauda padronizada
25 linhas x 50 toques (ou caracteres) = 1.250 toques (ou caracteres)

Cobrança por toques (ou caracteres)
Com o computador, ficou mais fácil cobrar o serviço de tradução por "caracteres", contados com ou sem espaço, já que o computador calcula isto automaticamente.

Para ver quantos caracteres tem o texto
Para quem utiliza Microsoft Word:
1. Clicar em Ferramentas, na Barra de Ferramentas, com o botão da esquerda do mouse.
2. Quando cair uma caixa de diálogo, clicar em Contar palavras...
3. Cairá uma caixa de diálogo com a resposta.

Cobrança por palavra
Com o auxílio do computador, ficou mais fácil, também, cobrar as traduções por palavra, pois o computador também faz este cálculo automaticamente.

Para ver quantas palavras tem o texto:

Para quem utiliza Microsoft Word:
1. Clicar em Ferramentas, na Barra de Ferramentas, com o botão da esquerda do mouse.
2. Quando cair uma caixa de diálogo, clicar em Contar palavras...
3. Cairá uma caixa de diálogo com a resposta.


[ Topo ]


Quanto devo cobrar por serviços de revisão?

A sugestão de preços relativos a serviços de revisão de textos compete aos sindicatos de jornalistas pois, quando a profissão de jornalista foi regulamentada, a profissão de "revisor" foi englobada na profissão.
Assim sendo, sugerimos que procure o sindicato dos jornalistas mais próximo ou que o localize pela Internet.

[ Topo ]


O que é "linotipo"

Diário Popular - Pelotas, RS, Terça, 25.01.2005
Disponível em: http://www.diariopopular.com.br/25_01_05/tc240102.html

Zona sul: Museu da Comunicação recebe máquina de linotipo

Novo item faz parte do acervo do Museu da Comunicação Rodolfo Martensen, da Fundação Universidade Federal do Rio Grande (Furg). Trata-se de máquina de linotipo, doada pela Livraria do Globo, de Porto Alegre, para a Furg. A doação, feita no ano passado, foi oficializada em cerimônia na 32ª Feira do Livro, no último domingo. A máquina está exposta entre os estandes da feira. Participaram do ato o reitor em exercício, Ernesto Luiz Casares Pinto e o diretor da Livraria do Globo, Paulo Bertazo, além dos pró-reitores da universidade, professores, técnicos-administrativos, estudantes e visitantes.
Para o reitor em exercício, a universidade cumpre o seu papel de preservar a história, com a conseqüente valorização da cultura - uma verdadeira marca da Furg - recebendo e colocando à mostra para a população itens que fizeram parte desta busca do homem pelo conhecimento e tecnologias que melhorem a qualidade de vida das pessoas. O diretor da empresa doadora ressaltou a parceria com a Furg, para que seja feita sempre a valorização do livro e da cultura em geral.
A linotipo é um dos ícones da imprensa e do mundo editorial. Inventada em 1890 por Mergenthaler, fazia a composição mecânica dos textos através da fundição de caracteres, formando linhas tipográficas. Os tipos eram fundidos numa caldeira com chumbo derretido, formando a linha de matriz em uma só barra. Já resfriadas, as linhas eram reunidas numa bandeja, seguindo após para a máquina de impressão.
Com o surgimento da linotipo, a composição manual por tipos móveis foi substituída, o que permitiu maior velocidade às atividades jornalísticas e editoriais, no já acelerado ritmo de vida do final do século 19, satisfazendo as exigências da opinião pública mundial.
A Livraria do Globo utilizou largamente as máquinas linotipo. Um de seus produtos mais famosos, a Revista do Globo, onde trabalharam os jornalistas e escritores Érico Veríssimo e Mário Quintana, também foi confeccionada nesta linha de máquinas, já nas primeiras décadas do século 20.

Consulte também: HISTÓRIA DO JORNALISMO COMUNITÁRIO (título provisório), Prof. MS Pedro Celso Campos. Acessível em: http://wmail.faac.unesp.br/~pcampos/HISTORIA%20DO%20JORNALISMO%20COMUNITARIO.htm


[ Topo ]








[ Voltar ]